Os Peregrinos

O caminho não é novo... O novo está em nós, no nosso jeito de caminhar!

Cansou??? Mas já???

Espero que o leitor não se canse de ler...

Pois tenho que falar algumas coisas sobre a onda de "grandes esforços" que têm cansado a elite do nosso país.

Antes, porém, vejam como é a tecnologia. Agora descobri que não preciso mais copiar trechos de artigos, ou artigos na íntegra. Basta criar um link. Não é bacana? Ainda tenho muito a aprender sobre a Net.

Então é o seguinte... Para aqueles tão "hábeis" quanto eu, na navegação, se a palavra estiver de cor diferente e sublinhada, é link... Pode clicar... Que legal... Estou maravilhado...

Mas enfim... Vamos ao texto!!!

Já é conhecido de todos o movimento de empresários, artistas e outros "da grana": o Cansei.

João Doria Jr., considerado mentor do movimento, jura de "pé-junto", que é um ato apolítico.

Difícil, então, deve ser explicar como um ato cívico, sem o menor interesse político, sai às ruas gritando "Fora Lula".

Sem querer defender o governo, muito menos o PT... Mas não é estranho que tanto alvoroço venha de empresários e artistas considerados de primeiro escalão?

Onde estavam eles nos tempos da ditadura? Quem eram eles, à época do "Diretas Já"? E quando os caras-pintadas foram às ruas, pedir o impeachment do Collor... Onde estavam os cansadinhos?

Tá... Vamos falar de uma época mais próxima então! Antes do apagão aéreo, veio o apagão da Energia... O que será que estava cansando nossa elite naquele momento? Será que o sucateamento do serviço público e das estatais, visando facilitar o caminho da privatização do país, deixou nossos empresários um pouquinho cansados, pelo menos?

Será que a gracinha da Hebe, a medrosa da Regina Duarte, a Ivete Sangalo e a Ana Maria Braga-Menos-Você (duas delas "socialities" confessas) não estariam cansadas do povo morrendo nas filas do SUS? Não... Para elas, problemão é o povo morrendo nos vôos da TAM! E por quê??? Porque na TAM elas embarcam, bem!!! Já no Sus...

É bem como diz Maurício Rands, petista, em seu site, no texto "O Cansaço das Elites":

---------------------------------------------------------

(...) as elites declaram-se cansadas. Peritas em sonegar impostos, declaram-se cansadas de pagá-los. Acostumadas a afrontar os pobres com a exibição de luxo e festas faraônicas, declaram-se cansadas de violência.

---------------------------------------------------------

Estão cansados de colher o que plantaram! A violência é fruto da desigualdade. E quem a criou? Os que queriam ficar pobres? Por que tantos impostos??? Porque todos os contribuintes realmente contribuem?

Ora, façam-me o favor esses Rico-Riquinhos, modelos de bondade, como se fosse bom ter muito dinheiro e deixar o outro morrendo de fome!

O restante do texto do Maurício Rands talvez possa desabonar seus argumentos, pois o que segue não passa de propaganda do PT. Mas então o que dizer da entrevista (lembra do lance de clicar na letrinha de cor diferente e sublinhada?) de Cláudio Lembo, ex-governador de SP?

Além do mais, há uma pergunta no texto do Maurício que não quer calar; e com ela termino o meu texto, pra não cansar a minha beleza, nem a dos caros leitores:

"Afinal, de que (foi que) a elite cansou?"

Retomando o caminho...

Olá... Retornamos!!!

Bem... Eu, Zé Luiz, retornei! Mas não se assustem!!! A Babi continua me acompanhando! Só que eu vou ficar mais à frente deste blog, já que ela tem o seu próprio < olheoceu > e costuma colocar os pensamentos dela lá!

Estive ausente, por motivo de desemprego! Continuo desempregado, mas dei um jeito de voltar ao mundo virtual! Domingo é meu aniversário e, neste mesmo dia, tem concurso da prefeitura! Como estou inscrito, espero me dar um belo presente e passar no concurso!

Excepcionalmente desta vez estou postando dois textos! Este primeiro é só uma satisfação pelo “sumiço”! O próximo é um pensamento sobre o PODER!

Mas, antes de falarmos sobre o Poder, convém dar uma palavrinha sobre algumas acusações de “anônimos” que agressivamente vieram “visitar” nosso blog! Esses “intrusos” nos mandaram mudar de religião, lavar a boca antes de falar do Papa e, pior... Alguns até mandaram mudarmos o nome do blog, pois de peregrinos não temos nada!

Ora, ora, ora... Por acaso, o nome do nosso blog é “cordeirinhos”? Ou então “paus-mandados”? “vaquinhas-de-presepio”? Porque, se forem estes os nomes, então precisamos mudar mesmo, uma vez que não somos nada disso!

PEREGRINAR É AÇÃO!!! É verbo!!! Peregrinos são os agentes!!! Peregrinos sabem aonde vão, traçam suas rotas, têm vontade própria, sem no entanto esquecerem quem é o Caminho!

Nós nos apegamos demais à imagem do Bom Pastor e achamos que ser ovelhinha é viver que nem rebanho, andando tudo pro mesmo lado, de cabeça baixa, feito gado! Mas não é nisso que Cristo nos compara às ovelhas; é claro que somos muito mais do que elas, pombas!!!

(Aviso importante: "pombas", aqui, é apenas uma interjeição de indignação. Em menhum momento foi nossa intenção colocar as pombas acima ou abaixo das ovelhas, hehehehe...)

Quem intenta nos castrar também não age como as ovelhinhas em que quer nos transformar! Dizia Jesus para tomarmos cuidado com os lobos em pele de cordeiro... Mas hoje os lobos estão ainda mais ousados: eles se vestem em pele de pastor!

No mais, aos amigos que sempre concordaram ou discordaram respeitosamente de nossas opiniões, sejam novamente bem-vindos! Tentaremos manter a “casa” arejada, abrindo nossas “janelas” com um pouco mais de freqüência! Ok!?!

E era isso... Acompanhem, logo abaixo, o texto sobre o Poder.

Paz & Bem!!!

Ah... E como diz o Anonymus Gourmet (chefe de cozinha bem conhecido aqui no Rio Grande do Sul), esse sim um anonymus pra lá de simpático: Voltaremos.

Poder, pra que te quero???

Estava eu conversando com um amigo, outro dia, sobre o Poder. O motivo foi um documentário de 1934, propagandista do nazismo, mostrando a chegada de Hitler em Nuremberg. Em tudo o documentário fazia lembrar a recente visita de Bento XVI ao Brasil.

Já começa mostrando a vista aérea, minutos antes do avião do Führer pousar. Poucos instantes onde o que se vê são somente nuvens, uma cena de indescritível leveza e que nos remete logo ao céu (ou seja... o Poder vem do alto).

Aí ele desce e entra num carro, de onde acena para as milhares de pessoas amontoadas nas calçadas das ruas por onde segue o desfile. O que se segue são as tais quebras de protocolo, comuns nos governos populistas, tais quais aquelas que vimos acontecer com o Presidente Lula, especialmente em sua primeira eleição.

O mesmo foi feito por Bento XVI, andando com as janelas do Papamóvel abertas, dando trabalho aos seguranças quando resolveu caminhar entre os jovens da Fazenda Esperança, etc e tal.

Depois o líder alemão entra no hotel onde vai ficar hospedado e, instantes depois, aparece na janela, saudando o povo que não arreda pé de lá.

A seguir, o documentário passa para outra cena: a dos jovens hitlerianos (da qual, inclusive, fazia parte o jovem Joseph Ratzinger). Esses mesmos jovens lotam um estádio de futebol, em outra cena, eufóricos com as falas do amável e atencioso líder.

Já, com seus generais, o discurso é duro e inflamado, tal qual fez Bento na abertura do CELAM. Provavelmente é o que o Lula faz com seus Ministros também... Por que não???

Mas enfim... Este meu amigo não gostou nada da comparação entre Bento XVI e Hitler e me perguntou se o Poder é ruim. Disse-lhe eu, à época (ainda um pouco assustado com a sua reação enérgica) que definitivamente o Poder não é ruim.

Depois de uns dias, voltei pra casa e refleti mais calmamente sobre o assunto. E então percebi que há dois tipos de Poder. Talvez haja mais... Porém, duvido que não sejam variações desses dois: O Vertical, invariavelmente de cima pra baixo; e o Horizontal, normalmente baseado no amor e no serviço.

É claro que eu deveria ter dito a esse meu amigo que o documentário, intitulado “O Triunfo da Vontade”, tornou-se na verdade uma fonte onde podemos apreciar os símbolos do Poder, qualquer Poder, não só o de Hitler ou do Papa. Mas confesso que tenho esse defeitinho de provocar os outros...

No fim das contas, a película serve mesmo para diferenciarmos as duas formas de Poder. O que vem do alto (das nuvens) obviamente é o Vertical.

Ora, o Poder de Cristo não vem do alto! Do Alto, com certeza... mas do alto não mesmo. Ele se tornou um de nós, igualou-se, desceu ao nosso “degrau”.

No lava-pés, afirmou que era o Mestre e Senhor, mas disse também que quem quisesse ser o primeiro, que imitasse o seu exemplo (Jo 13, 1-17). Ou seja: que os líderes, os detentores do Poder fossem aqueles que lavassem os pés dos demais.

Lavar o pé, aí, significa o quê, se não for estar a serviço do próximo? Jesus está entre nós, é um de nós, exerce sua Autoridade, que é dada do Alto, sem no entanto colocar-se acima de nós.

Portanto, maldito seja o Poder que faz uns serem mais do que outros e que, por isso, dá origem ao infame ditado: “Manda quem pode; obedece quem tem juízo”.

E que esse meu amigo, se estiver lendo o presente texto, desculpe-me o mau jeito. Não quero o mal do Papa. Pelo contrário, quero o bem da Igreja; daquela Igreja que Cristo instituiu...